Notícias

Saiba como planejar o transporte de cargas perigosas

Transporte de cargas perigosas IMO

Produzido por: 

Natalia Angi | Supervisora departamento financeiro

 Thayna Ferreira | Accounting

 

O transporte de cargas perigosas é relacionado a toda movimentação de qualquer substância que:

  • Apresente alguma instabilidade inerente sob condições normais;
  • Sozinha ou combinada com outras cargas possa causar incêndio, explosão ou corrosão de outros materiais;
  • Seja suficientemente tóxica para ameaçar a vida ou a saúde pública se não for adequadamente controlada.

As cargas perigosas são regulamentadas pela Organização Marítima Internacional (IMO), órgão pertencente às Nações Unidas e que tem como objetivo prevenir os riscos e padronizar a manipulação de cargas que apresente algum tipo de risco.

As substâncias perigosas são classificadas de acordo com o IMDG Code (International Maritime Dangerous Goods), desenvolvido para uniformizar várias classes de acordo com sua periculosidade diante ao meio ambiente e a todos os seres que podem ser prejudicados.

Identificação e sinalização de produtos perigosos
Identificação e sinalização de produtos perigosos.

Classificação IMDG

Classe 1: Explosivos

1.1 Substâncias e artigos que tem riscos de explosão.

1.2 Substâncias e artigos que possuem risco de projeção mas não de explosão.

1.3 Substâncias e artigos cujos possuem risco inflamável e um menor perigo de explosão e projeção, mesmo não tendo uma massa explosiva de risco.

1.4 Substâncias e produtos cujos não representam risco significativo.

1.5 Substâncias bastantes insensíveis cujas têm uma massa explosiva de risco.

1.6 Artigos extremamente insensíveis cujos não possuem uma massa explosiva de risco.

Classe 2: Gases

2.1 Gases inflamáveis.

2.2: Gases não tóxicos e não inflamáveis.

2.3 Gases tóxicos.

Classe 3: Líquidos inflamáveis

Classe 4: Sólidos inflamáveis, substâncias que podem ocasionar combustão espontânea e substâncias que, em meio aquoso, podem emitir gases inflamáveis

4.1 Sólidos inflamáveis e substâncias autorreativas.

4.2 Substâncias responsáveis por combustão espontânea.

4.3 Substâncias que, com o contato da água, emitem gases inflamáveis.

Classe 5: Substâncias oxidantes e peróxidos orgânicos.

5.1 Substâncias oxidantes.

5.2 Peróxidos orgânicos.

Classe 6: Substâncias infectantes e tóxicas

6.1 Substâncias tóxicas.

6.2 Substâncias Infecciosas.

Classe 7: Material Radioativo.

Classe 8: Substâncias Corrosivas.

Classe 9: Diversas substâncias/Miscelâneos.

É importante tratar essa carga de forma totalmente diferente de uma carga comum, já que colocam em risco as demais cargas de um navio ou aeronave e, principalmente, a vida de quem está conduzindo ou viajando por esses meios.

Algumas dicas importantes para as empresas que vão fazer o transporte de cargas perigosas:

1-    Para fazer esse tipo de transporte é necessário apresentar um documento chamado MSDS (Material Safety Data Sheet), documento emitido pelo exportador, com o detalhamento e características químicas e comerciais da mercadoria que contribuirão para a aprovação da mercadoria para seu transporte.

2-    O documento DCA (Dangerous Cargo Application) também é preenchido pelo exportador e deve constar as informações básicas da carga, com o nome e data da embarcação para a autorização junto à companhia marítima.

3-    Ficha de emergência: esse documento que também é de responsabilidade do exportador deve acompanhar a carga de porta a porta e deve constar toda a informação de como proceder corretamente em caso de emergência para evitar maiores danos, inclusive o telefone do químico responsável da empresa.

4-    Certificado de Homologação: Para o adequado e seguro transporte das mercadorias perigosas é obrigatório que as embalagens tenham sido submetidas aos testes previstos no Código IMDG e recebam o Certificado de Homologação emitido pela Diretoria de Portos e Costas (DPC), representante da autoridade marítima brasileira. Este certificado tem validade internacional. Esse é o documento que comprova que a embalagem atende as normas de segurança cujo certificado emitido constará detalhes do produto, modelo da embalagem, por quem foi fabricado, o endereço, e o mais importante, a marcação da embalagem.

Exemplo de certificado de homologação.

Há três grupos de embalagens para mercadorias perigosas, que são:

I – alta periculosidade
II – média periculosidade
III – baixa periculosidade

5-    MDGF (Multimodal Dangerous Goods Form): este formulário é preenchido pelo exportador após a aprovação com todas os detalhes da carga perigosa, detalhes do equipamento de embarque, e assinatura do químico ou responsável.

6-    Anexo 7: esse documento é um resumo do formulário MDGF e alguns armadores solicitam o preenchimento dele.

Pode haver reações químicas entre os diversos tipos de produtos perigosos, então há a necessidade de se segregar (separar) as diversas substâncias, para evitar que elas adquiram condições de reagir entre si.

A tabela abaixo é a segregação a bordo dos navios, mas em geral, esta tabela é aplicada também nas áreas portuárias, já que isso oferece uma segurança ainda maior na movimentação destas cargas.

Tabela para segregação de cargas perigosas – embarque marítimo.

Processo mais seguro

Essas são as dicas da Pluscargo para quem deseja conhecer uma série de medidas que devem ser cumpridas a fim de garantir um transporte eficaz de suas cargas perigosas. Além de uma equipe devidamente treinada sobre as regras para cargas IMO, também é preciso moldar a operação para garantir as condições necessárias para acondicionamento, embalagem, rotulagem e documentação de todo o processo até ao destinatário.

Consulte um especialista da Pluscargo para entender os procedimentos e peculiaridades de sua carga. Assim você garante maior tranquilidade na hora de fazer uma operação de transporte da sua carga periogosa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *