Produzido por: 

Natalia Angi | Supervisora departamento financeiro

 Thayna Ferreira | Accounting

 

O transporte de cargas perigosas é relacionado a toda movimentação de qualquer substância que:

As cargas perigosas são regulamentadas pela Organização Marítima Internacional (IMO), órgão pertencente às Nações Unidas e que tem como objetivo prevenir os riscos e padronizar a manipulação de cargas que apresente algum tipo de risco.

As substâncias perigosas são classificadas de acordo com o IMDG Code (International Maritime Dangerous Goods), desenvolvido para uniformizar várias classes de acordo com sua periculosidade diante ao meio ambiente e a todos os seres que podem ser prejudicados.

Identificação e sinalização de produtos perigosos
Identificação e sinalização de produtos perigosos.

Classificação IMDG

Classe 1: Explosivos

1.1 Substâncias e artigos que tem riscos de explosão.

1.2 Substâncias e artigos que possuem risco de projeção mas não de explosão.

1.3 Substâncias e artigos cujos possuem risco inflamável e um menor perigo de explosão e projeção, mesmo não tendo uma massa explosiva de risco.

1.4 Substâncias e produtos cujos não representam risco significativo.

1.5 Substâncias bastantes insensíveis cujas têm uma massa explosiva de risco.

1.6 Artigos extremamente insensíveis cujos não possuem uma massa explosiva de risco.

Classe 2: Gases

2.1 Gases inflamáveis.

2.2: Gases não tóxicos e não inflamáveis.

2.3 Gases tóxicos.

Classe 3: Líquidos inflamáveis

Classe 4: Sólidos inflamáveis, substâncias que podem ocasionar combustão espontânea e substâncias que, em meio aquoso, podem emitir gases inflamáveis

4.1 Sólidos inflamáveis e substâncias autorreativas.

4.2 Substâncias responsáveis por combustão espontânea.

4.3 Substâncias que, com o contato da água, emitem gases inflamáveis.

Classe 5: Substâncias oxidantes e peróxidos orgânicos.

5.1 Substâncias oxidantes.

5.2 Peróxidos orgânicos.

Classe 6: Substâncias infectantes e tóxicas

6.1 Substâncias tóxicas.

6.2 Substâncias Infecciosas.

Classe 7: Material Radioativo.

Classe 8: Substâncias Corrosivas.

Classe 9: Diversas substâncias/Miscelâneos.

É importante tratar essa carga de forma totalmente diferente de uma carga comum, já que colocam em risco as demais cargas de um navio ou aeronave e, principalmente, a vida de quem está conduzindo ou viajando por esses meios.

Algumas dicas importantes para as empresas que vão fazer o transporte de cargas perigosas:

1-    Para fazer esse tipo de transporte é necessário apresentar um documento chamado MSDS (Material Safety Data Sheet), documento emitido pelo exportador, com o detalhamento e características químicas e comerciais da mercadoria que contribuirão para a aprovação da mercadoria para seu transporte.

2-    O documento DCA (Dangerous Cargo Application) também é preenchido pelo exportador e deve constar as informações básicas da carga, com o nome e data da embarcação para a autorização junto à companhia marítima.

3-    Ficha de emergência: esse documento que também é de responsabilidade do exportador deve acompanhar a carga de porta a porta e deve constar toda a informação de como proceder corretamente em caso de emergência para evitar maiores danos, inclusive o telefone do químico responsável da empresa.

4-    Certificado de Homologação: Para o adequado e seguro transporte das mercadorias perigosas é obrigatório que as embalagens tenham sido submetidas aos testes previstos no Código IMDG e recebam o Certificado de Homologação emitido pela Diretoria de Portos e Costas (DPC), representante da autoridade marítima brasileira. Este certificado tem validade internacional. Esse é o documento que comprova que a embalagem atende as normas de segurança cujo certificado emitido constará detalhes do produto, modelo da embalagem, por quem foi fabricado, o endereço, e o mais importante, a marcação da embalagem.

Exemplo de certificado de homologação.

Há três grupos de embalagens para mercadorias perigosas, que são:

I – alta periculosidade
II – média periculosidade
III – baixa periculosidade

5-    MDGF (Multimodal Dangerous Goods Form): este formulário é preenchido pelo exportador após a aprovação com todas os detalhes da carga perigosa, detalhes do equipamento de embarque, e assinatura do químico ou responsável.

6-    Anexo 7: esse documento é um resumo do formulário MDGF e alguns armadores solicitam o preenchimento dele.

Pode haver reações químicas entre os diversos tipos de produtos perigosos, então há a necessidade de se segregar (separar) as diversas substâncias, para evitar que elas adquiram condições de reagir entre si.

A tabela abaixo é a segregação a bordo dos navios, mas em geral, esta tabela é aplicada também nas áreas portuárias, já que isso oferece uma segurança ainda maior na movimentação destas cargas.

Tabela para segregação de cargas perigosas – embarque marítimo.

Processo mais seguro

Essas são as dicas da Pluscargo para quem deseja conhecer uma série de medidas que devem ser cumpridas a fim de garantir um transporte eficaz de suas cargas perigosas. Além de uma equipe devidamente treinada sobre as regras para cargas IMO, também é preciso moldar a operação para garantir as condições necessárias para acondicionamento, embalagem, rotulagem e documentação de todo o processo até ao destinatário.

Consulte um especialista da Pluscargo para entender os procedimentos e peculiaridades de sua carga. Assim você garante maior tranquilidade na hora de fazer uma operação de transporte da sua carga periogosa.

Notícias

Saiba como planejar o transporte de cargas perigosas

Produzido por:  Natalia Angi | Supervisora departamento financeiro  Thayna Ferreira | Accounting   O transporte de cargas perigosas é relacionado a toda movimentação de qualquer substância que: Apresente alguma instabilidade inerente sob condições normais; Sozinha ou combinada com outras cargas possa causar incêndio, explosão ou corrosão de outros materiais; Seja suficientemente tóxica para ameaçar a vida […]

Read More

Estivadores aprovam greve de 72 horas no Porto de Santos, em SP

greve Porto de Santos

Na semana passada, durante assembleia, foi aprovada uma greve dos estivadores do Porto de Santos, no litoral de São Paulo. A paralisação será de 72 horas nos terminais de contêineres, e foi programada para os próximos dias 1, 2 e 3 de agosto. De acordo com o Sindicato dos Estivadores de Santos, São Vicente, Guarujá […]

Read More

Por que a Pluscargo é um dos melhores lugares para trabalhar em 2018?

Um bom ambiente de trabalho é feito pelas pessoas. Este ano, a Pluscargo é eleita como uma das melhores empresas para trabalhar.  O ranking é feito pela consultoria Great Place to Work (GPTW), que analisou empresas com até 99 funcionários em São Paulo. Fomos avaliados de acordo com critérios como qualidade de vida, clima, benefícios, liderança, desenvolvimento e […]

Read More

Dia Mundial do Meio Ambiente. Faça a sua parte!

dia mundial do meio ambiente

Em um momento em que a Natureza pede socorro, é importante que todos contribuam, direta ou indiretamente, para defender a vida e iniciar ações para salvar o planeta. No Dia Mundial do Meio Ambiente, a Pluscargo gostaria de incentivar a prática de atitudes sustentáveis, sejam elas individuais ou coletivas, mas que podem fazer uma grande […]

Read More

O que é e como opera um NVOCC?

nvocc

Produzido por:   Igmar costa | Gerente da filial RJ  Willians sá | Supervisor de Exportação Santos Importar e exportar mercadorias é uma tarefa complexa, embora seja uma parte fundamental para muitos negócios. Quando o assunto é transporte marítimo internacional, uma série de regras, regulamentos e obstáculos logísticos pode até forçar algumas empresas a descartar um empreendimento […]

Read More

Ano novo chinês e carnaval no Brasil: o que altera no cenário de logística internacional?

ano novo chinês

Para quem pensa que os Chineses só trabalham e nunca param de produzir, está enganado. Assim como o Brasil tem seus feriados prolongados, a China possui o Ano Novo chinês que é  representado por várias tradições e rituais, sendo considerado um dos feriados mais importantes para a cultura chinesa. O fato deste feriado ocorrer em um período […]

Read More