Notícias

Como a escassez de motoristas de transporte de cargas rodoviárias nos EUA está impactando a cadeia de suprimentos internacional

Escassez de motoristas no transporte rodoviário nos EUA

Os motoristas de transporte de cargas no meio-oeste e centro-sul dos EUA estão desistindo em números alarmantes este ano porque o congestionamento dos terminais ferroviários reduziu sua produtividade diária e, por sua vez, seus salários, de acordo com executivos do setor.

Apesar do aumento das taxas de serviço rodoviário e do pagamento dos motoristas, isso não foi suficiente para compensar os trabalhadores por concluírem menos trabalhos por dia.

Fornecedores de transporte rodoviário em Chicago, Cleveland, Columbus, Dallas, Kansas City e Memphis viram até um quarto de seus motoristas pedir demissão devido à queda na receita.

O salário médio dos motoristas de transporte local caiu cerca de 20% este ano em comparação a 2019 porque eles são pagos por trabalho concluído e não por hora ou por milha.

Com a escassez de chassis, congestionamento de terminais e restrições à exportação de cargas e devolução de caixas vazias, os motoristas perderam volume de trabalho por dia em comparação com 2019 e início de 2020.

A perda de motoristas de caminhões está ajudando a sobrecarregar a cadeia de suprimentos internacional. O volume intermodal internacional aumentou 17% nos primeiros quatro meses de 2021, de acordo com a Associação Intermodal da América do Norte (IANA).

O desafio de trabalhar mais com menos profissionais disponíveis é constante. Com menos motoristas, as empresas de transporte estão lutando para retirar todas as caixas de importação dos pátios ferroviários antes que o tempo livre expire, e os remetentes podem não conseguir fazer as entregas ou coletas tão rapidamente quanto há dois anos, comentam executivos do setor.

Falta de chassi prejudica a produtividade

A falta de chassis disponíveis é um dos principais motivos da queda na produtividade do motorista.

As ferrovias têm cargas de importação paradas no terminal até que mais chassis estejam disponíveis, deixando menos espaço no terminal para os contêineres de saída. Como resultado, as ferrovias limitam o número de cargas de exportação e devoluções de contêineres vazios nessas instalações, fazendo com que as cargas – e o chassi em que são montados – fiquem em um estacionamento, agravando ainda mais a escassez de equipamentos.

A combinação do aumento de carga com essa situação não permite que a cadeia de abastecimento possa se adaptar rapidamente a nova dinâmica.

Chicago, Cleveland, Columbus, Memphis e Kansas City é possível observar os piores cenários, onde os motoristas podem gastar pelo menos duas horas para obter o chassi certo.

Nos EUA, um motorista está limitado a 11 horas de trabalho por dia, de acordo com os regulamentos federais. Se o tempo para conseguir é de duas horas, isso consome quase 20% do seu tempo.

Uma nova crise no transporte global?

A crise no setor de transporte global deveu-se em grande parte às recuperações desiguais pós-Covid dos principais países importadores e exportadores, de acordo com um relatório da Drip Capital.

No entanto, a diferença no grau e nível de seu impacto em cada país significou que todos ao redor do mundo experimentaram bloqueios e a subsequente flexibilização das restrições em diferentes pontos no tempo.

O que está ocorrendo nos EUA nesse momento com os caminhoneiros também faz parte desse cenário. A equipe da Pluscargo está alerta sobre o cenário na China e as novas ondes de impacto que isso pode gerar em diversas regiões do mundo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *