Notícias

Congestionamento de contêineres: qual a situação na segunda quinzena de julho?

Situação do congestionamento de contêineres na segunda quinzena de julho

O congestionamento global de contêineres ainda é uma preocupação para as cadeias de abastecimento em todo o mundo.

Dados exclusivos do serviço de inteligência marítima eeSea mostram os pontos mais congestionados do mundo, classificando todos os portos pela soma dos navios da linha principal no porto ou em espera.

Hong Kong, por exemplo, tem uma alta taxa de espera de 67%. Oakland, Savannah, Seattle, e Vancouver estão todos acima de 65%, enquanto Yantian, cenário de um surto de Covid-19 que prejudicou a produtividade ao longo de junho, teve um bom desempenho em limpar grande parte de seu acúmulo nas últimas semanas.

A grande demanda do consumidor, principalmente nos Estados Unidos, se combinou com focos de surto de covid-19 e os deslocamentos de portos durante todo o ano, provocando ondas de congestionamento sem precedentes em todo o mundo, bem como taxas de frete recordes e baixas históricas para confiabilidade da programação de embarques regulares.

Sabemos que as complicações não acontecem pontualmente ou de maneira isolada. O comércio global funciona como uma cadeia. O efeito dominó atinge todas as frentes dos serviços e operações e, consequentemente, reflete-se em todo contexto que estamos vivendo.

problema de logística interna, uma grande questão enfrentada pelas empresas.

A solução do momento é se manter informado e planejar previamente. É preciso ter cautela e entender as movimentações do mercado, que sofrem alterações diárias e a tendência é que essas incertezas permaneçam nos próximos meses.

Saiba agora como está a situação na Europa

França

Falta de Container no sul da França. Alguns navios cancelaram escalas nos portos de Fos Sur Mer e Le Havre. Há previsão de aumento de fretes e stop booking com algumas empresas que atuam na região.

Turquia

O feriado nacional entre 19 e 15 de julho compromete ainda mais o congestionamento dos portos na região. Dificuldade para conseguir equipamentos. Muito importante planejar antecipadamente o embarque na região, assim é possível ir atrás de equipamento. Não há possibilidade de negociação de Free Time nos portos com algumas empresas que atuam na região.  Há uma tendência de aumento da criticidade da situação para agosto, de acordo com especialistas locais.

Alemanha

Maioria dos navios apresentam overbooking e há falta de equipamentos. Algumas companhias já sinalizam aceite de pedidos apenas a partir da segunda quinzena de agosto. Também há dificuldade de negociar Free Time.

Um agravante da situação no país é a condição climática. As fortes chuvas que ocorreram nos últimos dias, especialmente na Alemanha Ocidental, parte da Holanda, Bélgica e França, estão contribuindo para o cenário de atrasos nessas regiões. Há focos de enchentes em diversas regiões do país.

Itália

Congestionamentos e situação crítica nos portos. Os navios estão chegando e saindo com atraso.

Os navios estão lotados e os armadores que aceitam bookings acabam não conseguindo a disponibilidade de vazios.

Aqui é importante antecipar os pedidos, pois a maior parte das empresas precisam de uma semana de antecedência para checar se podem atender a demanda.

Uma greve no porto de Gênova que ocorreu no dia 19 de julho pode trazer mais atrasos nesta semana em particular.

Portugal

Os armadores estão com dificuldades na atribuição de reservas devido a falta de equipamento e espaço nos navios.

Isso causa mais aumentos nos fretes, tempos de espera por um booking confirmado consideravelmente alto e, no caso dos embarques para o Brasil, na diminuição do Free Time.

Sustentabilidade

Os operadores portuários Europeus esperam que os portos desempenhem um papel significativo no Green Deal da União Europeia, mas o investimento em infraestrutura terá de ser direcionado com precisão, de acordo com a Federação das Companhias Portuárias Privadas Europeias e Terminal.

Muitas atividades portuárias e investimentos relacionados contribuem direta ou indiretamente para que o Green Deal aconteça. As infraestruturas logísticas multimodais que ligam os portos irão certamente apoiar a transformação do papel dos portos onde for necessário.

Muitos terminais já haviam desenvolvido metas ambiciosas de redução de emissões e grandes operadores logísticos também estavam sendo proativos em seus esforços.

Mesmo que os custos mais altos do transporte de carbono zero sejam um desafio para toda a cadeia de transporte de carga, eles representam um passo importante para a neutralidade climática.

O que também será crucial é o apoio público para estimular o transporte de carga de carbono zero, incentivos, infraestrutura de carregamento e reabastecimento e mitigação dos impactos dos gases de efeito estufa em navios, caminhões, trens e barcaças que chegam aos portos.

Os portos europeus enfrentam tantas expectativas que será importante, antes de qualquer discussão sobre a construção de novas capacidades, verificar se está claramente previsto um retorno do investimento para as partes interessadas portuárias públicas e privadas, Estados-Membros e comunidades. Vamos acompanhar!

Você também pode escutar esse conteúdo no Spotify:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *